Dog lovers Mergulho Pessoas & Cultura SUP Turks & Caicos

Até mais Caicos:
Não dá para ficar mais?

Escrito por Renato Matiolli

Durante esses últimos dias que passamos em Turks and Caicos recebemos minha mãe novamente no barco, assim como a Bia, uma antiga amiga do Brasil, e fomos todos andar de SUP pelos canais de East Provo. Em seguida, o hóspede mais aguardados de todos os tempos chegou ao Ipanema, meu irmão Fabio! Fizemos um curso relâmpago de mergulho com ele logo no primeiro dia e fomos todos mergulhar num spot maravilhoso em West Caicos, o drop off! E para fechar com chave de ouro, o Ian, que cuidou de nós até o ultimo momento, veio se despedir e trouxe o melhor presente que um velejador que está dando a volta ao mundo poderia precisar.

DSC03182_Fotor

Logo depois que a Myriam foi embora, minha mãe e a Bia, uma amiga do Brasil, chegaram para passar uns dias com a gente. Minha mãe está prestes a fazer 70 anos, mas as vezes ela acha que tem uns 15. Ela é cheia de energia, super corajosa e quer participar de tudo. Quando elas chegaram ao barco estava ventando bastante e eu perguntei para a Bia se ela queria aprender a velejar de kite, antes mesmo que ela pudesse responder a minha mãe já pulou na frente e disse “Eu quero! Eu quero!”. O problema é que ela queria mesmo! Não é demais?

13271470_10153466611985800_1848733552_o_Fotor

A Bia também topa tudo, assim que elas chegaram colocamos 3 pranchas de SUP na água, agarramos o Feijão e fomos todos dar uma remada pelos canais de East Provo. Vimos um monte de peixes, raias e até uma tartaruga. Também ficamos um tempão admirando as mansões pelos canais e decidindo qual cada um iria comprar se ganhássemos na loteria.

Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 5

Screen Shot 2016-05-09 at 22_Fotor  DSC03163_Fotor

Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 6_Fotor 7

O Feijão ama andar de stand up! Dessa vez encontramos com alguns cachorros que moram nas mansões em volta dos canais, mas eles não foram assim muito receptivos, não paravam de latir, mas o nosso gorducho simplesmente ignorou, nem ligou e se divertiu até, e quando cansava de andar com alguém, simplesmente pulava pra outra prancha e ia com outra pessoa. Cômico. No final, levamos ele para outra temida aula de natação. Ele continua odiando, mas a gente acredita que ele está ficando melhor e mais confortável na água.

Screen Shot 2016-05-09 at 22_Fotor 3

Screen Shot 2016-05-09 at 22_Fotor 4  Screen Shot 2016-05-09 at 22_Fotor 2

Nessa mesma tarde o hóspede mais aguardado finalmente chegou ao Ipanema! Meu irmão Fabio. Ele é só um ano mais velho do que eu e a gente gosta das mesmas coisas, como surfe e kite, aposto que ele vai curtir muito os dias no barco. Eu sinto muita falta dele e estou muito feliz que ele finalmente conseguiu arrumar um tempo para vir ficar com a gente.

DSC03167_Fotor

Meu irmão ainda não tem um certificado de mergulho, e como os próximos lugares que vamos (West Caicos e Bahamas) são incríveis para mergulhar, eu fiz um curso relâmpago com ele para que possamos ir todos juntos mergulhar em segurança. O Fabio é super calmo e tem muita afinidade com a água, ele fez todos os exercícios mais difíceis muito bem e estou seguro que ele vai se tornar um excelente mergulhador.

13234653_10153466612485800_1697431853_o

No dia seguinte velejamos até West Caicos, e como esperado, o mergulho foi incrível! Assim como nas BVIs, aqui você encontra poitas para amarrar o barco bem em cima dos spots de mergulho. Mergulhamos até o começo de um drop off enorme, mas não fomos muito fundo já que a Bia e o Fábio ainda estão ganhando experiência. Eu fui sozinho um pouco mais fundo por alguns minutos, enquanto eles e a Sarinha me esperavam mais para traz, e vi um tubarão passando calmamente lá naquele azul infinito. Aposto que mais para baixo está cheio deles. Que lugar incrível.

Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 1

Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 5  Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 3

Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 7

Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 9  Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 6

Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 2

Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 11  Screen Shot 2016-05-10 at 5_Fotor 4

Bom, e não podemos ir embora de Turks and Caicos sem agradeces a dois amigos que fizemos por aqui. Primeiro, o Joshua, um segurança que nos encontrou perambulando pelas ruas de Provo a procura de um supermercado e gentilmente nos levou até um. Desde esse dia ele nos levava de carro para todo o lado que precisávamos. Ele é originalmente de Barbados, e como tal, um cara nota mil. Assim como os Porto Riquenhos, os Bajans (povo de Barbados), foram os nosso anfitriões favoritos aqui pelo Caribe. Ajudar um estranho é tão natural para eles que quando conhecemos o Joshua quase que deu para adivinhar que ele era Bajan.

13271408_10153466613285800_753486660_o

E por ultimo, não sabemos nem como agradecer o nosso anjo local, o Ian Van Walleghem. Ele é um empreendedor na ilha que constrói mansões de luxo, e mesmo assim encontrou tempo para bater papo com a gente e nos ajudar. Meu, esse cara é incrível! O Greg Carson lá de Rincón foi quem nos colocou em contato com ele, e o Ian não demorou nem um minuto para vir nos conhecer e se prontificar para nos ajudar no que fosse preciso enquanto estivéssemos na cidade. Ele nos mostrou os melhores sposts para surfar, mergulhar e fazer kite, e sempre aparecia no barco para bater um papo. No ultimo dia, pedimos ajuda com algo que a gente já sabia que ia ser impossível: achar um lugar para encher nossos botijões de gás de cozinha, que tem entrada europeia. Já tínhamos tentando sete vezes em Porto Rico e duas aqui em Turks. Perguntamos só para desencargo de consciência, e até falamos para ele nem perder muito tempo com o assunto já que não tínhamos muita esperança. Era algo que nos preocupava bastante e entretanto andávamos economizando gás, tipo fazendo menos chás, cafés, nada de usar o forno, nem a churrasqueira… Essa tinha sido uma das minhas maiores preocupações durante as ultimas semanas, já que tínhamos vários hospedes no barco e eu achava que só íamos conseguir resolver isso quando chegássemos no Panamá, e olhe lá! Bom, nem preciso dizer que o Ian rapidamente pegou os botijões, foi em uns 20 lugares, e não só conseguiu alguém que enchesse eles, como ainda pediu a um amigo que PRODUZISSE um adaptador de metal para nossos botijões! Agora poderemos encher eles em qualquer lugar do mundo! Dá para acreditar?!? Ele ainda trouxe uns biscoitos para o Feijão, e o corte de uma concha local como presente para a Sarah. E nem deixou a gente pagar pelo gás nem pelo adaptador. O Ian é daquelas pessoas que consegue resolver qualquer problema. Imagina o quanto deve ser desafiador planejar e construir casas de luxo por aqui? Estamos falando de clientes super exigentes em um lugar com pouca e má qualificada mão de obra, assim como difícil acesso à materiais de qualidade. Esse cara com certeza faz as coisas acontecerem. I-na-cre-di-tá-vel! Realmente espero que um dia a gente consiga receber ele e a esposa aqui no barco para umas férias.

DSC03176_Fotor

Bom, eu não sou o cara mais inteligente do mundo, mas até eu estou começando a perceber que mais cedo ou mais tarde vamos ter que parar com esse negocio de “velejar pelo mundo” já que estamos acumulando tantas dividas! Não só dividas com gastos com o barco, mas inúmeras dividas pessoais, com todos esses milhões de favores que recebemos de gente que acabamos de conhecer. Acho que no final vamos ter que planejar outra volta ao mundo só para ir retornando o favor a todas essas pessoas. Isso ou talvez numa vida passada a Sarah, o Feijão ou eu fomos algum tipo de santo, líder espiritual, abolicionista, ou algo do gênero. Só Deus sabe porque as pessoas são tão simpáticas e generosas com a gente. Não poderíamos ser mais agradecidos.

13250526_10153466613395800_1664475318_n

Estamos agora saindo de Turks and Caicos, e esse é mais um daqueles lugares que gostaríamos de ter ficado mais tempo, mas temos que seguir rumo ao sul para fugir da zona de furacões, cuja temporada oficial começa a partir de Junho, e não vemos a hora de chegar em ilhas mais remotas como Little Inagua nas Bahamas.

DSC03172_Fotor

Sobre o autor

Renato Matiolli

Deixe um comentário